Farofa da Luci

Quando tive a ideia de iniciar meu blog, pensei que a primeira receita que postaria seria da “minha’ farofa, tão elogiada pelos meus amigos de churras. Mas não tinha uma receita escrita com detalhes mínimos. Sempre fiz no instinto, colocando minha porção generosa de bacon e azeitona preta e incrementando com vinho branco. Uma preguiça imensa de pensar nas medidas de cada coisa…Mas é vergonhoso, lá vai a bela farofa e uma foto “autêntica” dela no  Ano Novo maravilhoso em Brasília (31/12/2010) na casa da Maysa!

Farofa da Luci

3 xícaras de chá de farinha de milho (sem tempero)

200 gramas de azeitona preta

200 gramas de bacon picado

50 gramas de uva passa

150 ml (1/2 copo) de vinho branco

3 colheres de óleo de soja

Salsinha picada

1 cebola picada

Sal e pimenta a gosto

Opcionais: ovo cozido, milho verde, pimentão vermelho ou verde.

Preparo

Em uma panela bem larga, fritar o bacon e a cebola no óleo quente

Acrescentar em seguida a farinha de milho (Cuidado para não deixar a farinha queimar)

Ainda misturando tudo, acrescentar a azeitona preta picada (porção generosa)

Colocar o vinho e a uva passa.

Desligar o fogo e jogar a salsinha em cima.

Dicas: O preparo é bem rápido, deve-se tomar cuidado para não deixar nem muito seco e nem muito úmido com o vinho. Dose cada um dos ingredientes conforme a necessidade.

Bolinho carioca de carne seca

Vamos a uma receita de Bolinho de Carne Seca, delícia, hein? Dica do Bar Pirajá (cybercook)

Ingredientes:

Massa

– 2 colher(es) (sobremesa) de manteiga
– 1/2 xícara(s) (chá) de leite
– 1/2 xícara(s) (chá) de Caldo de Legumes
– 1 xícara(s) (chá) de farinha de trigo
– 80 gr de abóbora japonesa cozida(s)

Recheio

– 200 gr de carne seca cozido(s) e desfiado(s)
– 10 gr de alho picado(s)
– 100 gr de cebola
– 10 ml de azeite
– 10 gr de salsinha picada(s)
– 10 gr de cebolinha verde
– quanto baste de sal
– quanto baste de pimenta-do-reino branca
– quanto baste de noz-moscada

Modo de preparo:

Massa

Prepare o caldo. Descasque a abóbora, tire as sementes e cozinhe-a no caldo. Reserve o caldo. Bata a abóbora com metade da manteiga e um pouco do caldo no liquidificador. Leve o leite e o restante do caldo para ferver. Coloque a farinha de uma vez e cozinhe até o ponto de desgrudar da panela. Coloque então o restante da manteiga e um fio de azeite. Deixe esfriar na pedra coberta com um pano úmido.

Recheio

Doure o alho no azeite e acrescente a cebola bem picadinha. Refogue a carne seca e tempere-a com as ervas bem picadinhas, sal e pimenta a gosto.

Bolinho

Pegue 28 gramas ou uma colher de sopa cheia de massa e abra na palma da mão. Pegue 10 gramas ou 1 colher de sobremesa rasa de recheio de carne seca e coloque no meio da massa. Feche em formato de croquete. Empane e frite em óleo quente a aproximadamente 180ºC.

Pirajá: Uma Esquina Carioca

Comprei o livro em maio, aqui em Bauru mesmo e estou curtindo aos poucos e adorando.

O cantor carioca Moacyr Luz narra de forma bem-humorada a história do Bar Pirajá ( http://www.piraja.com.br/): o bar paulistano com alma carioca!

As fotografias (Romulo Fialdini) são lindas e encontramos ao longo do livro várias dicas gastronômicas e musicais. O livro também apresenta as chamadas “intervenções” de Ruy Castro. Pronto, cardápio completo:  petiscos maravilhosos, boas histórias e imagens originais.

Pirajá: uma esquina carioca

Editora DBA- SP, 2010

O Julgamento de Paris

Assisti recentemente o “Julgamento de Paris”. Um filme bem produzido sem nenhuma pretensão de ser um blockbuster. A história é verídica, em 1976 um sommelier inglês, Steven Spurrier ( interpretado por Alan Rickman), resolve organizar em Paris uma degustação às cegas de vinhos franceses e da região de Napa (Califórnia).  O julgamento virou lenda, pois de forma inesperada os mais bem avaliados foram os californianos. Assisti, gostei e recomendo. Lucinéa

Leiam um pedaço da Resenha do site Cinepipoca:

A história real aconteceu em 24 de maio de 1976 na capital francesa e marcou o mundo. Eram seis vinhos da Califórnia contra quatro franceses em cada categoria. Nos vinhos brancos, a vitória americana foi mais expressiva.

A trama se desenvolve de forma interessante mesclando o ponto de vista de Spurrier com a dos produtores californianos. Na verdade, a grande disputa é apenas a cereja do bolo. O filme trata da busca por reconhecimento. É o empresário que quer ser reconhecido pelos iguais. O filho que quer o reconhecimento do pai. O homem que acredita em seu sonho. O rapaz que quer ir além do que sua família sonha. A moça que quer entender tudo sobre vinho.

O grande chamariz dessa história que a torna especial é mesmo o fato de ser verídico. O elenco também ajuda. Além de Alan Rickman, temos Bill Pullman em boa atuação e Chris Pine defendendo bem o herói do filme Bo Barrett. O roteiro de Ross Schwartz com o próprio diretor é bem feliz, nos envolvendo com os personagens americanos e nos fazendo torcer por eles. A narrativa é gostosa de acompanhar e a direção é correta, tornando o filme bastante agradável. Preparem a garrafa de vinho, pois vai dar vontade de experimentar uma boa safra. (fonte: http://www.cinepipocacult.com.br)

Vejam o trailer http://youtu.be/_cEfi1OhHjs