Logroño: Parte 2

185cientoochentaycinco

Vinícola Marquês de Cáceres

Rioja é uma comunidade autônoma da Espanha constituída de apenas uma província com o mesmo nome, a menor comunidade autônoma do país.

Logroño é a capital com 152 mil habitantes.

Ao seu redor estão as principais vinícolas espanholas.

Algumas estavam fechadas devido ao feriado da Páscoa. Páscoa não é um simples feriado na Espanha, dependendo do lugar, há um recesso de 10 dias ou mais.

Enfim, fomos até a Vinícola Marquês de Cáceres.

Por 10 euros o turista faz um tour de uma hora com uma excelente guia e tem direito à degustação de três vinhos: dois tintos e um branco.

A vinícola é grande mas nada comparada com as chilenas. Lugar lindo, bem vazio devido ao feriado e com vinhos excelentes. Passeio excelente para a semana da Páscoa.

decoraçaoMCJPG Hall de entrada da vinícola

http://www.marquesdecaceres.com/

LUEMmc

Ver o post original

Logroño: Parte 1

185cientoochentaycinco

placalogrono

Bares e pintxos

A vida noturna de Logroño é bastante agitada. A cidade está cheia de bares e a rua mais famosa e repleta de tabernas é a Calle Laurel. Dezenas de pequenos bares ou tabernas com aparadores (balcões) dentro e na frente para que as pessoas peçam seus pinchos e bebidas no balcão. A pedida é sempre ir em vários bares.

ruaslogrono

Fomos em três deles, como gostamos muito do primeiro voltamos lá para terminar a noite. Quatro paradas, muito vinho de Rioja e pinchos.

Comemos costelinhas de porco, porções de lombinho de porco, jamon ibérico, batatas bravas e por aí vai.

 

Volta estratégica para hotel para as visitas às bodegas na manhã seguinte.

Ver o post original

Pubs, fish and chips

Pubs, fish and chips
“I am lonely in London without fear”.

Para terminar meus posts sobre meu pit stop em Londres em setembro (2013), não podia deixar de falar sobre os pubs londrinos. Não sou de beber muito, gosto de um bom vinho; as cervejas, em geral, despertam minha enxaqueca crônica rapidinho, só a boa “Original” não deixa isso acontecer.
Mas os pubs londrinos não servem só para quem gosta de uma pint de cerveja, mas para quem quer almoçar, jantar, tomar um lanche, uma taça de vinho, fazer uma boa parada depois de um dia longo de sightseeing e até para tomar um bom café-da-manhã depois de um voo de 12 horas São Paulo-Londres.
Foi o que aconteceu comigo na minha chegada em Londres. Cheguei no hotel por volta das 9h da manhã e, logicamente, o check-in só era às 14h. Dei uma choradinha e o gerente (indiano, of course), ao ver meu cansaço, disse que ia tentar liberar o quarto até meio-dia, mas enquanto isso, eu podia/devia deixar as bagagens e dar uma volta.
A região de Paddignton está repleta de pubs e cafés, quase todos abrem depois das 9h/10h e foi em um desses que parei para tomar um bom café, provar um toast com presunto parma e coisas do gênero. A ideia era que tudo fosse lento, meu corpo e minha cabeça só queriam uma boa cama e nenhuma emoção por umas boas horas.
Foi também em um desses pubs da região que fiz minha última refeição da viagem: o tradicional “fish na chips”!
dickenstavern1sawersfishandchipscaskale

No meu segundo dia em Londres, fui fazer uma longa caminhada ao longo do Rio Tâmisa e não resisti, tirei mais fotos de pubs lindinhos e de uma região que ferve no final da tarde e à noite: Gabriel´s Wharf. Cheguei ainda cedo lá, mas foi bom para ver o lugar sendo preparado para o agito.
À noite, fui a um show de jazz no Café in the Crypt (dentro da igreja Saint Martin-in-the-Fields). Depois voltei lá para almoçar com uma amiga, mas o menu da noite era bem mais interessante.
Saudades de andar, parar, comer e vagar por Londres!
oldthamestheanchorluanchorwagamama1wharf2wharf301_CAFEcryptyellow

Só para terminar “mesmo”, hoje já não curto Caetano Veloso como antes, mas a letra e melodia de “London, London” não poderiam ser mais fieis à capital britânica.

London, London (Caetano Veloso)
I’m wandering round and round, nowhere to go
I’m lonely in London, London is lovely so
I cross the streets without fear
Everybody keeps the way clear
I know no one here to say hello
I know they keep the way clear
I am lonely in London without fear
I’m wandering round and round, nowhere to go
While my eyes go looking for flying saucers in the sky
Oh Sunday, Monday, Autumn pass by me
And people hurry on so peacefully
A group approaches a policeman
He seems so pleased to please them
It’s good at least, to live and I agree
He seems so pleased, at least
And it’s so good to live in peace
And Sunday, Monday, years, and I agree
While my eyes go looking for flying saucers in the sky
I choose no face to look at, choose no way
I just happen to be here, and it’s ok
Green grass, blue eyes, grey sky
God bless silent pain and happiness
I came around to say yes, and I say
While my eyes go looking for flying saucers in the sky

Taste of London: Fifteen, Jamie Oliver

Taste of London: Fifteen, Jamie Oliver
fifteen-jamie-jon
Como amo programas sobre gastronomia e acho bem bacana os projetos e trabalhos do Jamie Oliver, fiz uma reserva pelo site lastminute para almoçar no Fifteen, primeiro restaurante do chefe inglês. Na verdade, podemos chamar de restaurante-escola.
Tudo começou em 2002, ele recrutou e treinou quinze jovens desempregados e com histórias de vidas nada comuns, todos participaram da escola de Jamie e se tornaram chefs e funcionários do “Fifteen”.
O projeto deu certo e há dez anos o restaurante só trabalha no esquema de escola, conheci um jovem garçom brasileiro que ama o lugar e vários outros funcionários de diversos países. A comida é bem gostosa, o ambiente é leve e me pareceu que a maioria dos frequentadores é formada pelos londrinos, mas talvez tenha sido uma coincidência daquela quarta-feira de verão ameno.
E o Jamie? Ahhh, ele não estava, imagino que pouco fica por lá, mas o sócio Jon Rotheram estava fazendo social com vários clientes e pegando firme na cozinha. Havia uma equipe de documentaristas por lá também, tudo é paradoxalmente agitado e organizado, coisa de britânicos.
Atendimento impecável, quando li no cardápio que uma das entradas continha “fennel”, chamei um garçom inglês para me explicar o que era; ele não sabia comparar com nada que eu conhecia, perguntou minha nacionalidade e na hora chamou o Diego, garçom conterrâneo. O Diego também não sabia traduzir fennel, depois de consultas com os italianos e outro chef brasileiro, finalmente, chegamos à erva-doce. Enfim, tudo delicioso.
O bacana é que tudo o que pagamos é investido na escola de futuros chefs, não é balela, a coisa funciona mesmo!
Fifteen, I´ll be back soon!

cartazfifiteenfifteen2fifteeninsiderestaurnantedentroentradajamiemaincoursecheefpreparingchefchef2cozinhadowstairscozinhadowstarirs2history_480x480

Taste of London (Parte 1)

 Não podia fechar 2013 sem meus posts gastronômicos sobre minhas curtas férias em Londres e em algumas cidades da Croácia.

Foram férias inesperadas, tiradas em setembro devido à greve de alunos na UNESP. Vi que meus planos de relaxar janeiro inteiro nos States tinham ido por água abaixo e resolvi fazer do limão uma lemonade.

Na bagagem, casaco e sombrinha para o final do verão em Londres; biquíni para curtir o Mar Adriático. Nunca acertei tanto em uma mala, usei tudo, absolutamente tudo: de bota a protetor solar!

Voltando à gastronomia, passei quatro dias em Londres para matar rapidamente as saudades de lá, deu para comer bem, visitar cafés e restaurantes que não conhecia e rever outros cantinhos.

Na primeira noite estava completamente cansada devido à viagem e mudança de fuso, dei uma descansada no hotel e à noite parti para Piccadilly Circus, pit stop obrigatório de todos. Passei em uma livraria e entre uma andada e outra achei o Caffè Concerto, tudo o que precisava estava ali: uma taça de vinho, café e um doce bárbaro. Combina? Não sei, estava tudo divino.

 

 

caffeconcerto2 caffeconcerto sweeties
No dia seguinte, fui ao Fifteen (vale um post separado) e sem querer no caminho de volta, ao descer na estação London Bridge, cheguei na Borough Market, uma delícia de feira.  As cores dos tomates, o cheirinho dos pães e os formatos dos cogumelos me encantaram. Lógico que parei na barraca de brownie e fiz a festa. Aproveitei para comprar mostarda e alguns temperinhos.

boroughingleses littletomatoesbgtomatoesboroughjuiceitalybread2bread1bigmushroombigmush4mush3cestomushrooms

Bolo de sorvete com merengue e raspas de chocolate da Nigella

Bolo de sorvete com merengue e raspas de chocolate da Nigella

Semana passada, ainda com o frio de inverno a todo vapor, assisti o programa da Nigella, especial da Itália. Amei o que vi e resolvi preparar o bolo de merengue. Resultado? Uma delíciiiiia! Daquelas que a gente come escondido, um pouquinho por dia! Seguem as instruções e o vídeo. Luci!

Para fazer o sorvete de merengue:
Ingredientes:
300ml de creme de leite fresco (Vende em embalagem grande 1 litro)
30g de chocolate amargo frio (mínimo 70% de cacau)
1 colher (sopa) de rum (ou licor de café)
100g de suspiro
Opcional: 250g de morangos ou framboesas (para servir, opcional)

Modo de preparo:
Bata o creme de leite fresco até engrossar, mas deixe ficar duro. Acrescente o rum ou licor de café e volte a bater. Pique o chocolate frio, pois se estiver em temperatura ambiente pode derreter, e jogue na mistura. Mexa rapidamente e, em seguida, coloque os suspiros amassados com as próprias mãos. Volte a misturar tudo, com leveza, para levar ao congelador por 1 dia. Antes, cubra uma forma de terrine ou bolo inglês com filme-plástico PVC, deixando sobrar um pouco pelas bordas para retirar o bolo com facilidade depois de congelado.

Para fazer a calda de chocolate:
Ingredientes:
250ml de creme de leite fresco
125g de chocolate amargo picado (no mínimo 70% de cacau)
2 colheres (sopa) de rum (ou licor de café)

Modo de preparo:
Em fogo brando, derreta parte do chocolate sem deixar de mexer. Quando estiver quase todo derretido, coloque o creme de leite e tire do fogo. Adicione o rum e volte a mexer. Sirva quente sobre o bolo de sorvete.

Vejam o vídeo para verem como é fácil!
Link da receita no GNT
http://gnt.globo.com/receitas/Bolo-de-sorvete-com-merengue-e-raspas-de-chocolate-da-Nigella.shtml

Peito de Frango com laranja

Ritalobofrango
Outra receitinha de frango, este é da Rita Lobo. A laranja dá um gosto especial ao peito de frango. Testado e aprovado!

Peito de frango com laranja e purê de batatas: receita da Rita Lobo
Rendimento: serve 4 pessoas
Tempo de preparo: 1 hora

Como fazer o frango e o molho:
Ingredientes:
4 filés de peito de frango
2 xícaras (chá) de suco de laranja
¼ de xícara (chá) de azeite
1 dente de alho
1 colher (sopa) de farinha de trigo
1 ramo de alecrim fresco
Sal (a gosto)
Pimenta-do-reino (a gosto)
Azeite para untar

Truque culinário: marinar o peito de frango na laranja

Modo de preparo:
Sob água corrente, lave os filés de frango. Aproveite para descascar e amassar o dente de alho. Para fazer a marinada, esprema apenas 1 xícara de suco de laranja (a outra será usada mais para frente) e transfira para uma tigela grande, passando pela peneira. Misture com ¼ de xícara (chá) de azeite e o dente de alho (descascado e amassado). Mergulhe os filés de frango, tampe com o prato e deixe marinar por 20 a 30 minutos, em temperatura ambiente. Se quiser deixar mais tempo, leve à geladeira. Sugestão da Rita Lobo: não use filezinho de frango e sim o filé, que nada mais é do que a metade de um peito inteiro.
Enquanto o frango fica na marinada, vá preparando o purê de batatas. Quando o purê estiver pronto, preaqueça o forno a temperatura baixa. Leve ao fogo médio uma frigideira antiaderente grande. Quando aquecer, regue com um fio de azeite (apenas para untar o fundo). Com uma pinça, pegue um filé de frango e escorra bem a marinada. Coloque a parte de cima para dourar primeiro e vá fazendo dois filés por vez. Tempere com sal e pimenta-do-reino e não mexa mais na carne. Depois de 4 minutos, vire, tempere novamente e deixe cozinhar por mais 4 minutos.
Sugestão da Rita Lobo: para que o frango cozinhe direitinho, a frigideira tem que estar quente, mas não soltando fumaça — caso contrário ele irá queimar por fora e continuar cru por dentro.

Transfira os peitos para um refratário e leve ao forno preaquecido para que não esfriem enquanto você termina de dourar os outros filés. Repita do procedimento e deixe o frango no forno enquanto prepara o molho. Junte na tigela da marinada mais 1 xícara (chá) de suco de laranja, passando pela peneira (para retirar as sementes, que amargam a receita) e 1 colher (sopa) de farinha de trigo. Misture bem, até dissolver a farinha. Abaixe o fogo da frigideira onde o frango foi preparado e misture o líquido de uma vez.
Com uma colher de pau, vá raspando o fundo da frigideira. Depois, o molho vai passar pela peneira, mas esses queimadinhos do fundo é que vão garantir o sabor do molho. Mexa vigorosamente por 2 minutos. Junte um ramo de alecrim e deixe cozinhar por cerca de 10 minutos, mexendo de vez em quando, até o molho engrossar. Se passar do ponto, regue com água. Desligue o fogo e passe o molho pela peneira. Prove o tempero e acerte com sal e pimenta-do-reino. Sirva a seguir quente sobre o filé de frango, acompanhado do purê de batatas.